Mística e Simbologia

Mística

A mística da I Secção é uma proposta que se lança ao Lobito. Através do seu caminho, percorrendo as Etapas de Progresso, o Lobito vai ser sempre interpelado a ter um objectivo em mente e em tudo o que faz:
O LOUVOR AO CRIADOR
O lobito louva Deus Criador, descobrindo-O no que o rodeia

Imaginário

Sem qualquer prejuízo para o espírito Cristão e a mística de São Francisco de Assis, que o Chefe despertará e desenvolverá por todos os meios nos seus Lobitos, o espírito da Alcateia inspira-se, em grande parte, na vida da Selva e na história de Máugli, em «O Livro da Selva» de Rudyard Kippling.
O Chefe deverá contar aos seus Lobitos a história de Máugli, relacionando os animais da Selva com as personagens da vida real. A história de Maúgli viver-se-à na Alcateia através de jogos, danças da Selva e representações.

Simbologia

O Grande Uivo é a saudação colectiva que os Lobitos fazem habitualmente aos seus Chefes ou a um visitante.
Faz-se da seguinte forma:
  1. Por ordem de Aquelá, o Guia designado pelo Conselho de Guias, ou na falta deste, o Guia mais antigo (ou outro Guia) gritará com tom agudo e prolongado: «A-La-iii…»;
  2. Ao ouvir este grito, todos os Lobitos, correndo e uivando “Hiauuu” formam o Círculo de Parada em torno de Aquelá, por Bandos, ficando cada Guia à direita do seu Bando e os Bandos à esquerda uns dos outros pela seguinte ordem: branco, cinzento, preto, castanho e ruivo;
  3. Agora, todos os Lobitos se acocoram, ficando com os calcanhares unidos levantados, joelhos, pontas dos dedos em apoio no solo. Imitam assim a posição do Lobo sentado. A face deve estar erguida para o Chefe;
  4. Logo que tomam esta posição os Lobitos gritam, em uníssono e pausadamente: “Aquelá! Serei melhor! melhor! melhor!”;
  5. Ao gritar “melhor” pela terceira vez, todos se levantam num movimento rápido e simultâneo, ficando bem direitos, com as mãos ao lado da cabeça, em saudação dupla, imitando as orelhas de um Lobo;
  6. Então Aquelá interroga, dizendo a primeira palavra pausadamente e as sílabas seguintes rápida, mas destacadamente: “Lobitos quereis cap, cap, cap, cap (cumprir a promessa)?”;
  7. Num grito prolongado, todos respondem: “Sim… (baixam o braço esquerdo) cov, cov, cov, cov (da melhor vontade)”, baixando progressivamente o braço direito, por cada “cov”. Com os dois braços em baixo, os Lobitos ficam em sentido, aguardando as ordens de Aquelá.

O Círculo de Conselho é formado pelos Lobitos, colocados na mesma disposição do Grande Uivo, e deve ter de cinco a sete passos de diâmetro, consoante o número de Lobitos. O local que Aquelá ocupa no centro do Círculo denomina-se Rocha do Conselho e é demarcado por um pequeno círculo de pedras ou de giz traçado no solo.

Os Lobitos formam o Círculo do Conselho para receber instruções ou ouvir histórias contadas por Aquelá.

O Guia de Bando designado orientará a formação do Círculo de Conselho, procedendo como nos pontos 1 e 2 do Grande Uivo.

À voz de “Lobitos! Formar Conselho”, dada pelo Chefe de Alcateia, os Lobitos dão um a dois passos para o centro do Círculo.

O Círculo de Parada destina-se à execução do Grande Uivo, das Danças da Selva, de certos jogos e cerimónias.  Forma-se como se descreve nos pontos 1 e 2 do Grande Uivo.

Na formação do Círculo de Parada os Lobitos podem dar as mãos uns aos outros e alargam-se para formarem um grande círculo.

LOBITOS PROGRESSO BANDOS AVISOS/Inscrições